Acorda. Agradece e intercede pelo dia. Levanta. Faz sua higiene pessoal. Prepara o café para sua família. Mesmo sendo a casula gosta de preparar surpresas. Seus pais acordam para trabalhar. Acordam irritados, apenas pegam um pedaço de pão e logo – mesmo sem se despedir ou agradecer – saem pela porta. Ela ora baixinho, pedindo a proteção, e no futuro a rendição. A irmã mais velha ainda tem um tempo de sobra para apreciar o café, mas logo vai trabalhar. Tudo é tão rápido. Ela limpa. Organiza. Sai para trabalhar. Ao chegar ao batente sabe que ninguém vai notar seu corte de cabelo novo, o vestido que paquerou meses e pode comprar com suas economias, nem se interessam pelas novas cores de esmalte que chegou à sua manicure, ou ainda, ninguém percebe o novo par de brincos que está usando. Ao finalizar um serviço dificílimo recebeu elogios, porém, muitas reclamações. Quantas vezes a mesma história, quantas vezes se sentiu invisível. Não sendo notada por ninguém. Não sendo vista. Neste momento ela percebe.

Percebe que existe alguém, que logo de manhã ela buscou, e no mesmo momento Ele decidiu acompanhá-la pelo resto do dia. Estava lá dando forças no momento de levantar, na hora de preparar o café. Ouviu sua petição incansável pelos pais, e também se prontificou a protegê-los. Ele estava presente quando ela se sentia sozinha. Ele a acompanhava no trabalho. Sabia de tudo, não só do corte de cabelo, mas também de quantos fios ainda restara, do esforço que fazia para comprar presentinhos que lhe faziam sentir-se mais bela, Ele conhecia cada detalhe, cada pormenor, Ele apreciava sua fé, ele apreciava o seu esforço em fazer o melhor de tudo. Ele era, e é o mais importante. Ele deve ser a quem devemos querer impressionar. Ele deve ser o motivo da nossa alegria, da nossa força, do nosso agir.

Mariana Emerim

Sou joinvilense, tenho 26 anos. Casada com Willian.

Formada em design gráfico e técnica em moda e estilismo.

Eu sou misto de conto de fadas e realidades, princesas e castelos, casa e trabalho.

Meu mundo tem as cores da vida e eu aprendi que a vida, se a gente quiser, pode ser mais colorida quando acreditamos.


Mariana Emerim on EmailMariana Emerim on FacebookMariana Emerim on InstagramMariana Emerim on PinterestMariana Emerim on TwitterMariana Emerim on Youtube
%d blogueiros gostam disto: